Francisco António TOMAR
alias Sukre d'Sal... 
né en 1951

Biographie

Francisco António Tomar, alias Sukrato, Sukre d'Sal ou encore Chico Tomar, est né le 1er juillet 1951, à São João Baptista, sur l'île de Boa Vista.
Encore bébé, il déménage avec sa mère sur l'île de Sal où il effectue sa scolarité, y achevant le cursus généra à l'Externato do Aeroporto do Sal. Puis, il poursuit le cursus secondaire à Mindelo, au Liceu Gil Eanes. Après quoi il entreprend des études à l'Instituto superior Técnico de Lisbonne, sans pour autant parvenir à achever sa formation.
Il vit actuellement sur l'île de Sal.


haut

Oeuvres littéraires


Il collabore aux périodiques Repique do Sino  (Boa Vista), Presença crioula  (Lisbonne), Morabeza  (Rio de Janeiro), Nôs vida  (Holanda), Voz di povo  (Praia), Artiletra  (Praia).
Il a publié à ce jour deux recueils de poèsies: Horizonte aberto: poemas  (1974-1975) et Poesia, vivencias e fantasias  (2017), qui regroupe des poèmes de 1971 à 2014, en trois parties:

  1. "Prelúdio, poemas de luta"
  2. "Amor e outras estações"
  3. "Vivências e sentimentos"

Il a eu un projet de pièce de théâtre intitulé "Distino na Palma d'Mon" qui, semble-t-il, n'a pas abouti.

haut


NÃO ME LAVEM O ROSTO

Não me lavem os olhos!
Não; já disse, não!
Deixai-me ver,
sentir, viver tudo em mim
mas não me lavem os olhos!

Deixai-me crer por mim
aceitar a realidade
mas não me barrem a caminhada
não me lavem os olhos!

Deixai-me sofrer realidade
ao sonhar fraternidade
mas... por favor...
não me lavem os olhos!

No reino de Caliban I, 1988, p. 249


RECORDACÃO

Se o marinheiro
ao deixar o porto amigo
leva sempre consigo
uma triste lembrança...
Uma ilusão...
Eu, mais que tudo isso,
Ao beijar-te a fronte querida
na hora da despedida,
lego-te esta imagem de saudade
E, quando me afastar,
Se a vida me deixar,
E a fé teimou chegar,
​De teus lábios ouvirão...

No reino de Caliban I, 1988, p. 249-250



INQUIETACÃO

Sedento...
fui à taça dos desenganos
e bebi a dose poção das realidades.

Depois de afastada a névoa que me ofuscava a visão...
Pude contemplar com esforçada serenidade
a grande miséria da nossa resignação inconformada.
Já não vejo a vida!
Sinto em mim a revolta da alma
desesperada sede de inovação;
Vejo-me condenado à inquietação
enquanto não se proceder
             à desejada promoção.

No reino de Caliban I, 1988, p. 250


Bibliographie


Oeuvres
  • Poesia, vivências e fantasias, Sal: Ideia Prática - Ed. do autor, 2017, 162 p.
  • Amdjers: opúsculo com poemas, Mindelo: Gráfica do Mindelo - Ed. do autor, 1977, n/a p.
  • Sukre d'Sal, Horizonte aberto: poemas, Lisboa: Via Editora - Ed. do autor, 1975, 63 p. (Coll. Literatura de combate, n° 1)
Périodiques
  • Arquipélago: revista de opinião e cultura, ano III, n° 10 (12/1988):
  1. "O melhor poema", p. 30
  2. "Alvorada", p. 30
  3. "Do lado de cá da rosa", p. 31
  4. "Poesia III: Ao Beto (Alberto Cardoso Correia e Silva)", p. 31
  5. "Chamada di Merka", p. 32
  6. "Morininha di Lem", p. 32
  7. "Valsa de Aguinaldo Fonseca", p. 32
  • Arquipélago: revista de opinião e cultura, ano III, n° 9 (05/1988):
  1. "Poema", p. 39
  2. "Poesia", p. 39
  3. "Confuso", p. 40 
  • n/a, Vozes: revista de cultura, vol. 70, n° 6-10 (1976), p. n/a
  • Sukre d'Sal, "Na grande hora", Nô Pintcha, n° n/a (02/08/1975), p. n/a
  • à préciser...
Recueils collectifs - Anthologies - Autres
  • "Recordação", in Salvato Trigo (ed.), Matrilíngua: antologia de autores de língua portuguesa, vol. II, Viana do Castelo: Câmara municipal de Viana do Castelo, 1997, p. 240
  • "Não me lavem o rosto", in Lúcia Cechin (ed.), Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe: poesia e conto, Porto Alegre (Brasil): UFRGS, 1986, p. 85; il se pourrait que Cechin ait aussi attribué les poèmes de Tacalhe à Sukrato (d'après le site Memórias de África)!
  • Luís Romano (ed.), Contravento. Antologia bilingue de poesia cabo-verdiana, Taunton (MA / USA): Atlantis Publishers, 1982:
  1. Sucre d'Sal, "Sonhe pa nha terra / Sonho para a minha terra", p. 126-127
  2. Sucre d'Sal, "Ambiente (Dja d'Sal) / Ambiente (ilha do Sal)", p. 128-129
  3. Sucre d'Sal, "Identificaçon / Identificação", p. 130-131
  • Sukre d'Sal, "Na grande hora", in Mário de Andrade (ed.), Antologia temática da poesia africana  (vol. II: O canto armado), Lisboa: Sá da Costa, 1979, p. 170-172
  • Manuel Fereira (ed.), No reino de Caliban: antologia panorãmica da poesia africana de expressão portuguesa  (vol. I: Cabo Verde / Guinée-Bissau), Lisboa: Seara Nova, 1975 (3a ed. 1988):
  1. "Não me lavem o rosto", p. 255 (1988, p. 249)
  2. "Recordação", p. 255-256 (1988, p. 249-250)
  3. "Inquietação", p. 256 (1988, p. 250)

Etudes critiques


  • "Ilha do Sal: Francisco Tomar dá à estampa a sua mais recente obra literária intitulada Poesia, vivências e fantasias", Inforpress: agência cabo-verdiana de notícias, n° n/a (18/10/2017), en ligne (web)
  • Gerald Max Joseph Moser / Manuel Ferreira, Bibliografia das literaturas africanas de expressão portuguesa, n° 285 (1983), p. 240 et 307